Quero ser Ricardo Kotscho para andar pela rua e não me acomodar num computador. Quero ser Robert Fisk para guerrear pela paz tendo como arma um microfone. Quero ser Hélio Fernandes para me libertar pelas grades e não me prender a cifrões. Quero ser Gay Talese para cuidar de cada palavra e ser sensível ao sentimento das pessoas. Quero ser Zuenir Ventura para escrever as minhas histórias dos outros. Quero ser Alberto Dines para observar a mim mesma. Quero ser John Reed para narrar dias que abalaram o mundo. Quero ser muitos. Eu mesma. Sou um ser em construção.

domingo, 14 de junho de 2009

Odebrecht e Ueki : a CPI vai tremer nas bases

Foto: Divulgação
Falta alguém na CPI da Petrobrás: Shigeaki Ueki

Por Paulo Henrique Amorim


. Abílio Diniz considera, na pág. B6 do Estadão – “Ganhamos a escala que precisávamos” (com a compra do Ponto Frio) – que melhor seria investigar a Petrobrás pelo mercado, em lugar de uma CPI: “esse negócio de Petrobrás sendo vigiada por CPI, por política”.

. O colonista (*) Elio Gaspari - aquele que transformou Geisel e Golbery em George Washington e Thomas Jefferson da democracia brasileira … – lembra na pág. A12 da Folha (**) que os defensores da Petrobrás poderiam mencionar um nome mágico (a “petrochave”, diz o colonista *) nas discussões: Joel Rennó.

. Rennó, segundo o colonista (*), “presidiu a Petrobrás durante o Governo de Fernando Henrique Cardoso, com o ativo beneplácito do então PFL”.

. Boa lembrança, essa a do colonista (*).

. A certa altura, o Jornal da Band tinha o patrocínio da Petrobrás.

. Um notável advogado do Rio (um dia digo quem é) vazou para o Jornal da Band um documento que outros órgãos do PiG (***) menosprezaram (afinal, no Governo Fernando Henrique, era duro falar mal do Governo e de um anunciante como a Petrobrás …).

. Um contrato entre a Petrobrás de Joel Rennó e a empreiteira Odebrecht.

. Um contrato singular.

. A Petrobrás emprestava dinheiro à Odebrecht para a Odebrecht comprar a Petrobrás.

. O amigo navegante deve achar que esse modesto blogueiro enlouqueceu.

. Não, é isso mesmo, o que ia ser feito no Governo do Farol de Alexandria, aquele que, mais tarde, quis privatizar a Petrobrás, com o nome de Petrobrax.

. A Petrobrás dava a grana à Odebrecht e a Odebrecht comprava a Petrobrás.

. O Jornal da Band denunciou a patranha e passou a chamar a Petrobrás de Fernando Henrique e Joel Rennó de “Petrobrecht”.

. Foi um Deus nos acuda.

. Emilio Odebrecht, que contribuiu para o Esquema PC Farias , apareceu na Bandeirantes.

. Com a ajuda do notável advogado e diretor da Bandeirantes, José Roberto Maluf, foi possível fazer uma analise ainda que superficial do contrato em tela e ver que era disso que se tratava: comprar a Petrobrás com o dinheiro da Petrobrás.

. O contratou sumiu, a “Petrobrecht” não saiu e a Petrobrás tirou o patrocínio do Jornal da Band.

. Vamos ver se a sugestão do notável colonista (*) cola: chamar o Rennó para contar umas histórias.

. Mas, seria bom também convocar o colega dele, da Folha (**), o colonista (*) Odebrecht, para fala da “Petrobrecht”.

. O Conversa Afiada, porém, tem uma singela sugestão a fazer.

. Convocar à CPI o Shigeaki Ueki, que foi Ministro de Energia e Presidente da Petrobrás, no Governo Geisel.

. Ele e seu lugar-tenente Atan Barbosa, diretor de comunicações da Petrobrás, na gestão Ueki.

. Muitos jornalistas o conheceram.

. Esse modesto blogueiro entre eles.

. Ueki e Atan poderiam dar depoimentos trepidantes.

. E o notável colonista (*) Gaspari poderia acrescentá-los às próximas edições de sua copiosa produção jornalística.

Paulo Henrique Amorim

(*) Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG (*) que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.


(**) Folha é aquele jornal da “ditabranda”, do câncer do Fidel, da ficha falsa da Dilma, de Aécio vice de Serra, e que nos anos militares emprestava os carros de reportagem aos torturadores.


(***) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Paulo Henrique Amorim é jornalista.

Texto publicado originalmente no site "Conversa Afiada", de Paulo Henrique Amorim.

Nenhum comentário:

"O discípulo não supera o mestre, o complementa" (Luciene Félix, profª de filosofia da Escola Superior de Direito Constitucional - SP)

"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro."
(Platão)

"A amizade é mais importante do que a justiça, porque onde houver amizade, a justiça já está feita."(Aristóteles)

Este blog adota a