Quero ser Ricardo Kotscho para andar pela rua e não me acomodar num computador. Quero ser Robert Fisk para guerrear pela paz tendo como arma um microfone. Quero ser Hélio Fernandes para me libertar pelas grades e não me prender a cifrões. Quero ser Gay Talese para cuidar de cada palavra e ser sensível ao sentimento das pessoas. Quero ser Zuenir Ventura para escrever as minhas histórias dos outros. Quero ser Alberto Dines para observar a mim mesma. Quero ser John Reed para narrar dias que abalaram o mundo. Quero ser muitos. Eu mesma. Sou um ser em construção.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Nos traços da história: os voluntários que não eram tão voluntários assim

Você, carioca, sabe quem foram os "Voluntários da Pátria"?
Os soldados

A rua. Foto: Daniel Osiecki














Voluntários da pátria é o nome dado aos corpos de soldados criados pelo governo brasileiro no início da Guerra do Paraguai, em 7 de Janeiro de 1785, buscando aumentar o número de soldados no Exército Brasileiro. Só que boa parte do recrutamento era forçado, ordenado por chefes políticos locais a oficiais da Guarda Nacional que forçavam o alistamento de seus opositores. Além disso, havia uma cota de alistamento para cada província, que foi solicitada a prover, no mínimo, 1% de sua população.


Saiu na revista "Guia Zona Sul", de Maio 2009.

Nenhum comentário:

"O discípulo não supera o mestre, o complementa" (Luciene Félix, profª de filosofia da Escola Superior de Direito Constitucional - SP)

"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro."
(Platão)

"A amizade é mais importante do que a justiça, porque onde houver amizade, a justiça já está feita."(Aristóteles)

Este blog adota a