Quero ser Ricardo Kotscho para andar pela rua e não me acomodar num computador. Quero ser Robert Fisk para guerrear pela paz tendo como arma um microfone. Quero ser Hélio Fernandes para me libertar pelas grades e não me prender a cifrões. Quero ser Gay Talese para cuidar de cada palavra e ser sensível ao sentimento das pessoas. Quero ser Zuenir Ventura para escrever as minhas histórias dos outros. Quero ser Alberto Dines para observar a mim mesma. Quero ser John Reed para narrar dias que abalaram o mundo. Quero ser muitos. Eu mesma. Sou um ser em construção.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Traço de mestre

Foto: Luciana Sarmento
Cuba, a indenização devida

Se o objetivo do presidente Barack Obama é, de fato, “melhorar a vida do povo cubano", não há outra saída que não passe pelo levantamento total do injustificável embargo imposto ao país há quase meio século.

Gilson Caroni Filho

É um ótimo sinal o anúncio recente feito pelo presidente Barack Obama, dando conta do levantamento de algumas medidas do bloqueio comercial dos Estados Unidos a Cuba. Mas se, tal como afirmou o porta-voz da Casa Branca, o objetivo é “melhorar a vida do povo cubano", não há outra saída que não passe pelo levantamento total do injustificável embargo imposto ao país há quase meio século. Algo que Fidel definiu com precisão, quando falou em ”política genocida que custa vidas e que demonstrou ser um total fracasso"

Uma reorientação efetiva da política estadunidense teria um significado que ultrapassaria os limites da Ilha. Demonstraria uma sintonia fina com o que vem ocorrendo nos últimos anos na América Latina. E que não parece dar mostras de retrocesso.

Um redesenho de dinâmica política que só pode ser entendido a partir das raízes históricas da opressão e das lutas dos povos latino-americanos. Um continente que, sem receio de incorrer em argumentação simplificadora, se desenvolve seguindo dois traçados antagônicos: ou incorporando o elemento popular como protagonista ou elaborando processos de exclusão que remontam à época colonial.

Há 50 anos, o caminho escolhido por Fidel Castro, Juan Almeida, Che Guevara, Camilo Cienfuegos, entre outros, foi o primeiro, o da incorporação. Aquele que vence porque os povos têm um instinto que os guia em seus grandes movimentos. Como destacou o historiador Hélio Silva, “os líderes só se afirmam quando conseguem captar, interpretar os sentimentos do povo. Não importa que ele apareça somente no fundo do quadro, deixando o proscênio livre para os heróis se destacarem. Há uma orquestração inaudível, uma coreografia silenciosa, que são imprescindíveis porque as primeiras figuras cairiam no vácuo se as suas atitudes não correspondessem ao movimento de massa".

É a isso, e não às alegadas disposições ditatoriais do regime instalado em 1959, que Fidel deve sua longevidade política. E, na quadra atual, é dentro desse marco que deve ser compreendida a popularidade das lideranças de esquerda da região. Não entender o processo é jogar com as pedras do imperialismo e da direita golpista.

Cuba, no ano da revolução, tinha 6,5 milhões de habitantes, dos quais 1 milhão e 200 mil estavam radicados em Havana, a pequena "Miami" dos cabarés e bordéis da máfia americana. Brilhavam os neons dos famosos magazines, iluminando o caminho para o desfile de carros do ano que, reluzentes, cortavam a cidade transportando uma burguesia alheia ao resto do país, colaboradora da dilapidação da sociedade cubana, cúmplice do alto índice de prostituição, do tráfico de drogas e do desemprego.

No entorno, como macabro contraponto ao luxo da capital, a massa de trabalhadores rurais, além de não dispor de qualquer tipo de amparo social, sequer tinha certeza do trabalho, pois terminada a safra da cana, nada havia a fazer. Eram quatro meses de trabalho por ano, depois não havia comida. Restava viver em "bohios"- choupanas feitas de folha de palmeira - sem água, luz elétrica, ou instalações sanitárias. Segundo o censo de 1953, uma entre 4 pessoas em Cuba não sabia ler nem escrever.

A taxa de mortalidade infantil era de quase 40 para cada mil nascidos vivos. Vinte anos depois (em 1979), como conseqüência das prioridades do governo revolucionário, a taxa recuou para 19,3, uma das menores do mundo. As promessas do tempo de guerrilha se transformaram em realidade através de um rigoroso plano de saúde, que ampara desde o momento da gravidez até a fase adulta.

Na educação, as mudanças não foram menos expressivas. Até a chegada de Fidel ao poder, 50% da população infantil não estudava. Após a revolução, a educação escolar foi nacionalizada. Como trabalho básico, foi organizada uma gigantesca campanha de alfabetização que erradicaria essa carência em 1961.

O Sistema Nacional de Educação, criado em seguida, assegurou ensino gratuito em todos os níveis. Não foram poucos os estrangeiros de países capitalistas que foram estudar na Ilha devido a excelência obtida em diversas especialidades. Era o homem novo que o embargo impediu que surgisse em outros países da América Latina.

Desde a fundação da Escola Nacional de Arte de Cubanacán, o ensino gratuito de múltiplas de manifestações artísticas, se estendeu a quase 50 escolas, com um número aproximado de 5 mil alunos. Eis a poética revolucionária que o imperialismo tolheu no restante da região.

O que era o esporte antes do triunfo da revolução? Uma coisa restrita ao boxe e ao beisebol profissionais, controlados pelas grandes máfias que transformavam Cuba em um grande celeiro para os empresários esportivos estadunidenses. O que veio depois? Coordenação e promoção maciça do esporte. Organizou-se uma Escola Superior de Educação Física e, atualmente, existem escolas provinciais de educação física com milhares de matrículas a cada ano. Vários cubanos são recordistas olímpicos e mundiais e Cuba ocupa posição de destaque no boxe, vôlei, atletismo e beisebol.

O presidente Obama diz que sua nova política pode alcançar o que o embargo nunca conseguiu uma verdadeira mudança política na Ilha. Se o objetivo é esse, o malogro não tardará a cobrar seu preço. Apesar das dificuldades decorrentes do bloqueio imperialista, a sociedade cubana ainda registra avanços notáveis. O que se espera dos EUA não são favores sujeitos a condicionalidades, mas indenização por uma prática criminosa. Não se barganha a soberania.

Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Observatório da Imprensa.


Texto originalmente publicado hoje, 22 de Maio de 2009, no site da "Agência Carta Maior".

Nenhum comentário:

"O discípulo não supera o mestre, o complementa" (Luciene Félix, profª de filosofia da Escola Superior de Direito Constitucional - SP)

"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro."
(Platão)

"A amizade é mais importante do que a justiça, porque onde houver amizade, a justiça já está feita."(Aristóteles)

Este blog adota a