Quero ser Ricardo Kotscho para andar pela rua e não me acomodar num computador. Quero ser Robert Fisk para guerrear pela paz tendo como arma um microfone. Quero ser Hélio Fernandes para me libertar pelas grades e não me prender a cifrões. Quero ser Gay Talese para cuidar de cada palavra e ser sensível ao sentimento das pessoas. Quero ser Zuenir Ventura para escrever as minhas histórias dos outros. Quero ser Alberto Dines para observar a mim mesma. Quero ser John Reed para narrar dias que abalaram o mundo. Quero ser muitos. Eu mesma. Sou um ser em construção.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Traço de mestre

Fórum Social Mundial, a vitória da cítara

Com um maestro desnorteado pela perda da partitura, a iluminação do “Fidelio” de Davos está cada vez mais precária. As cordas da cítara de Ravi Shankar, no entanto, voltam a vibrar com intensidade. Contrariando prognósticos, Woodstock parece ter vencido.

O fracasso do neoliberalismo condensa a tragédia de um pensamento utilitarista que considerava boa a democracia que estivesse adequada ao mercado, que consagrava a liberdade econômica como superior à liberdade política e, para não obstar o processo acumulativo, entregava os postos-chave do Estado aos carcereiros de qualquer aspiração republicana.

O ideal era a fragilização da esfera pública, o esmagamento de qualquer forma de auto-organização da sociedade incompatível com as práticas de negociação da empresa monopólica moderna. Isso era Davos e sua lógica binária pretensamente tranqüilizadora. “Uma “solene encenação da única ópera de Beethoven, “Fidelio”, para os menestréis da” boa gestão” corporativa.

A melhor descrição desse cenário foi feito por Marilena Chauí, em texto para a revista “Desvios” em 1984: “Tanto o mercado propriamente dito quanto a política são tratados como barganha num espaço competitivo constituído por indivíduos, grupos ou pela massa".

Se Kierkegaard descreveu a angústia como experiência propriamente humana do ser livre, a "Montanha Mágica" das finanças jamais a levou em conta. Sua realidade “transparente e apaziguadora" estava livre de qualquer pulsão dialética, apascentando administradores racionais e gerentes científicos.

O Fórum Social Mundial era o oposto disso. Representava uma aposta na política como ferramenta para construção de novas estruturas que funcionassem de forma relativamente igualitária, relativamente não-hierárquica, efetivamente democrática. O outro mundo só possível pela práxis dos que não desistiram de se assenhorearem da própria história.

O colapso do capitalismo era visto não como mais um ciclo de destruição criativa, mas como ruína da ordem social em escala planetária, com desdobramentos políticos absolutamente imprevisíveis. As estradas, ao contrário do que rezava o credo neoliberal, não mostravam o caminho correto para o desenvolvimento. De forma oposta, cabia aos movimentos anti-sistêmicos criar transversais, resgatando o Estado do arcabouço institucional que levava à supressão de direitos e a inserções subalternas.

Por tudo isso, o FSM foi visto pela grande imprensa como um " Woodstock" dos trópicos, um desfile de batas e slogans que não escondiam o " clima retrô" das propostas. Em Davos, o substantivo. Em Porto Alegre, o anedótico. Era a lógica editorial de quem reproduzia mantras como se fossem discursos próprios.

Como disse Oded Grajew em entrevista à Folha de São Paulo "o colapso financeiro confirmou as previsões que o fórum fazia. É só recuperar toda a nossa história. Sempre falamos isso. Mas a gente não fica feliz e contente com a crise. Queremos é um mundo com qualidade de vida.”.

Com um maestro desnorteado pela perda da partitura, a iluminação do “Fidelio” de Davos está cada vez mais precária. As cordas da cítara de Ravi Shankar, no entanto, voltam a vibrar com intensidade. Contrariando prognósticos, Woodstock parece ter vencido. E o que parecia “retrô” agora é adivinhado como possibilidade, como angústia do devir, como história que teima em não terminar.


Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Observatório da Imprensa.


Texto originalmente publicado hoje, 26 de Janeiro de 2009, no site da "Agência Carta Maior"

Nenhum comentário:

"O discípulo não supera o mestre, o complementa" (Luciene Félix, profª de filosofia da Escola Superior de Direito Constitucional - SP)

"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro."
(Platão)

"A amizade é mais importante do que a justiça, porque onde houver amizade, a justiça já está feita."(Aristóteles)

Este blog adota a